CILIFO adere às comemorações do Dia Internacional da Biodiversidade 2020

22.05.2020. A perda de biodiversidade é uma perda para a humanidade, razão pela qual todos os dias 22 de Maio, desde 1993, é celebrado como o Dia Internacional da Diversidade Biológica. Este dia visa aumentar a compreensão e a sensibilização para as questões relacionadas com a diversidade biológica (a variabilidade dos organismos vivos, incluindo a diversidade dentro das espécies (genética), entre espécies e dos ecossistemas).

Um dos pilares fundamentais do Centro Ibérico de Investigação e Combate aos Incêndios Florestais (CILIFO) é a sensibilização, uma vez que a prevenção é uma das principais acções de combate aos incêndios florestais, e inclui tanto a silvicultura preventiva sobre combustíveis florestais, como outras acções destinadas a sensibilizar o público para o problema dos incêndios: a “prevenção social”.

A educação e sensibilização ambiental é um complemento das políticas e acções ambientais, uma vez que, sem a participação activa e empenhada de todos os membros da sociedade, as estratégias ambientais levadas a cabo pelos organismos públicos e privados não seriam suficientes para responder aos desafios colocados pelo desenvolvimento sustentável. Por esta razão, conhecer os mecanismos de incêndio, a forma como os dispositivos extintores e as suas consequências nocivas constitui um elo fundamental da cadeia que nos conduz à sua prevenção.

A diversidade biológica é um bem global de grande valor para as gerações presentes e futuras, o número de espécies diminui a um ritmo acelerado, devido à actividade humana, de acordo com a Web das Nações Unidas. Dada a importância da educação e da sensibilização do público para esta ameaça, o CILIFO adere à celebração do Dia Internacional da Biodiversidade 2020.

Sobre a diversidade biológica:

Como as Nações Unidas explicam no seu site: “Por biodiversidade entende-se a grande variedade de plantas, animais e microrganismos existentes, mas inclui também as diferenças genéticas dentro de cada espécie – por exemplo, entre variedades de culturas e raças de gado – bem como a variedade de ecossistemas (lagos, florestas, desertos, campos agrícolas,…) que acolhem múltiplas interacções entre os seus membros (humanos, plantas, animais) e o seu ambiente (água, ar, solo…)”.

Além disso, os recursos biológicos “são os pilares que sustentam as civilizações”. O peixe fornece 20% das proteínas animais a cerca de 3 mil milhões de pessoas. Mais de 80% da dieta humana é composta por plantas. Cerca de 80% das pessoas que vivem nas zonas rurais dos países em desenvolvimento dependem de medicamentos tradicionais à base de plantas para os cuidados básicos de saúde.

Por último, as Nações Unidas informam no seu sítio Web que 2020 é um ano “de reflexão, de oportunidade e de soluções”. 2020 é o ano em que, mais do que nunca, devemos expressar a nossa vontade de “achatar e reduzir a curva” da perda de biodiversidade em benefício dos seres humanos e de toda a vida na Terra. 2020 será o período final do Plano Estratégico para a Biodiversidade 2011-2020 e dos Objectivos de Aichi, bem como a Década da Biodiversidade, que abrirá novas décadas de biodiversidade para o período 2021-2030: a Década das Ciências Oceânicas para o Desenvolvimento Sustentável e a Década das Nações Unidas para a Restauração dos Ecossistemas; e a Cimeira da Biodiversidade, para salientar a necessidade de uma acção de alto nível de apoio a um quadro global de biodiversidade pós-2020.

Para mais informações sobre o Dia Internacional da Biodiversidade. https://www.un.org/es/observances/biological-diversity-day

Contacto: Beatriz Martínez (EU Project Officer na Fundación Finnova) beatriz.martinez@finnova.eu