Seminário de formação bem sucedido do CILIFO sobre fontes de financiamento europeias para soluções inovadoras contra incêndios florestais em #EUGreenWeek

  • César Luena, MEP, salientou a importância de uma estratégia comum para a utilização sustentável do solo para, em paralelo, também combater a desertificação”.
  • O evento foi organizado pela Fundação Finnova no âmbito do Projecto CILIFO.
  • O evento contou com a participação de mais de 60 pessoas

Sevilha, 10.06.2021 – A 9 de Junho teve lugar o dia de formação “Fontes de financiamento europeias para soluções inovadoras no domínio dos incêndios florestais”, um evento associado à edição deste ano do #EUGreenWeek 2021.

Organizado pela Fundação Finnova no âmbito das suas acções de formação para o Projecto CILIFO e o seu acelerador Firefighting Open Innovation Lab-CILIFO, este evento híbrido serviu para apresentar as diferentes opções de financiamento que, da União Europeia, estão ao serviço dessas ideias e projectos inovadores no campo da prevenção e combate aos incêndios florestais, bem como para a regeneração dos solos após este tipo de catástrofes ambientais.

O evento, que foi seguido em espanhol, português e inglês e contou com a participação de um total de 67 pessoas, contou com a presença de representantes políticos e administrações públicas, peritos em financiamento e programas europeus e técnicos no sector dos incêndios florestais que abordam este problema de uma nova forma e aplicam novas tecnologias.

Além disso, representantes das várias entidades beneficiárias do Centro Ibérico de Investigação e Combate aos Incêndios Florestais (CILIFO), um projecto desenvolvido no âmbito do programa de cooperação transfronteiriça Interreg Espanha-Portugal (POCTEP), cuja extensão abrange a Euroregião composta pelos territórios portugueses do Algarve e Alentejo, e Andaluzia em Espanha. Ao longo do dia, o papel de moderador foi desempenhado por José Manuel Requena, responsável pela cooperação territorial europeia e pelo Projecto CILIFO na Fundação Finnova.

O evento começou com a intervenção do Eurodeputado César Luena, Vice-Presidente da Comissão do Ambiente, Saúde Pública e Segurança Alimentar do Parlamento Europeu (PE), que centrou o seu discurso nas linhas de trabalho do Parlamento sobre o ambiente e a restauração florestal. “Estamos a pedir algo que ainda não existe na UE: uma estratégia comum para a utilização sustentável do solo, a fim de combater a desertificação. Salientou também a importância da educação, uma vez que a instituição procura envolver estudantes europeus em programas de intercâmbio para a conservação, protecção e prevenção de incêndios florestais através de um Erasmus verde que inclui parâmetros para promover a agenda ambiental da UE.

César Luena, Membro do Parlamento Europeu

Francisco Senra, Chefe de Análise e Gestão do Conhecimento na Agencia de Medio Ambiente y Agua (AMAYA- Junta de Andalucía), apresentou as linhas gerais do Centro Ibérico de Investigação e Combate aos Incêndios Florestais (CILIFO) e destacou alguns dos desafios que propõe, como a implementação de um plano conjunto de sensibilização sobre os incêndios florestais, a criação do centro e, em linha com a intervenção do MPE Luena, notou a importância de levar o tema dos incêndios florestais aos mais jovens através de programas educativos.

O destaque do dia, o bloco dedicado às fontes comunitárias de financiamento de projectos com soluções inovadoras no campo do combate e prevenção de incêndios florestais e/ou regeneração de solos depois deles, começou com a participação de Moisés Álvaro, promotor para Espanha do Instituto Europeu de Inovação e Tecnologia (EIT) Clima – KIC, que fez uma introdução ao Plano Regional de Inovação para o Sul da Europa e recordou que da entidade que procuram promover “uma carteira de projectos ligados para maximizar o impacto das suas ideias”.

Depois, e com a ajuda de peritos finlandeses, foram apresentados os novos fundos e programas que a União Europeia lançou para o próximo período deste ano até 2027, uma etapa em que a Europa deve enfrentar desafios que vão para além da já complicada luta contra a pandemia.

Juan Viesca, Director dos Fundos Europeus na Finnova, derrubou numerosas fontes de financiamento europeias para projectos como o React EU e destacou a importância dos fundos europeus de recuperação da Próxima Geração da UE.

Adrián Noheda, director de internacionalização e inovações empresariais da Finnova, apresentou o programa do Conselho Europeu de Inovação (EIC), que oferece até 15 milhões de euros em investimento e 2,5 milhões de euros em subvenções a empresários e PMEs com 1 a 250 empregados e menos de 50 milhões em volume de negócios.

Para concluir este bloco, o moderador da conferência, José Manuel Requena, destacou os primeiros passos do programa LIFE para o novo período 2021-2027 e convidou os participantes e ouvintes a descobrirem tudo o que o LIFE pode oferecer nas Jornadas Informativas LIFE da UE, que terão lugar de 22 a 25 de Junho de 2021.

O programa LIFE é o instrumento financeiro da UE para apoiar o desenvolvimento e a implementação do programa LIFE. O programa LIFE é o instrumento financeiro da UE dedicado exclusivamente ao ambiente. O concurso para novos projectos-piloto será aberto em meados de Junho de 2021 e terá 5.400 milhões de euros.

O bloco seguinte do dia serviu para dar voz a dois exemplos de boas práticas no campo dos incêndios florestais, tais como os casos de KrattWorks e Carbón Emergente, duas empresas internacionais com soluções criativas e tecnológicas para a séria ameaça colocada pelos incêndios florestais.

Mattias Luha, CEO da KrattWorks, vencedor da recentemente realizada Espanha-Portugal Accelerathon no desafio das alterações climáticas, apresentou um sistema autónomo que proporciona uma rápida consciência situacional para bombeiros, socorristas e polícias. “Eliminamos dois dos problemas mais frequentes da polícia e das equipas de salvamento: tecnologia obsoleta e falta de consciência situacional”.

Sebastian Shardy, co-fundador e CEO da Carbón Emergente, vencedor da segunda edição do CILIFO – Firefighting Startup Europe Awards (SEUA-CILIFO) 2020, centrou a sua apresentação na produção de biochar, um carvão muito estável que é incorporado nos solos a fim de melhorar a sua retenção de água e nutrientes e a sua actividade microbiológica.

O dia terminou com as três últimas intervenções, que se concentraram na formação, um dos pilares básicos do projecto CILIFO. Lourdes González, como coordenadora do Projecto CILIFO na Fundação ONCE, explicou as acções de formação levadas a cabo por esta fundação, parceira beneficiária do CILIFO. Assim, ela forneceu informações sobre as realidades e necessidades das pessoas com deficiência que são treinadas para ajudar a reduzir os riscos que enfrentam numa emergência com cursos como Atenção à diversidade em situações de emergência no ambiente florestal, que terá a sua terceira edição no próximo Outono.

Por seu lado, Ana Luisa Lourido, representando outra das entidades beneficiárias do Projecto CILIFO, a Universidade de Évora, partilhou as linhas de acções de formação desta universidade relacionadas com o combate e a prevenção de incêndios florestais, tanto em cursos de graduação como de pós-graduação.

Para concluir o bloco, e de outra perspectiva, a de um jovem que recebe tal formação, Francisco Guerreiro contou a sua experiência em relação ao Projecto CILIFO como voluntário do programa Interreg Volunteer Youth na Fundação Finnova, onde trabalha como tradutor.

Não pôde assistir ao evento? Pode observá-lo aqui.

Sobre o Projecto CILIFO

O projecto “Centro Ibérico de Investigação e Combate aos Incêndios Florestais” (CILIFO) centra-se na luta contra os incêndios florestais e suas consequências para a adaptação e mitigação das alterações climáticas; num quadro de cooperação transfronteiriça para a prevenção de riscos e melhoria da gestão dos recursos naturais de Espanha e Portugal na área da Eurorregião Alentejo – Algarve – Andaluzia. O CILIFO está enquadrado no Objectivo Temático 5 do Programa POCTEP: Promover a adaptação às alterações climáticas em todos os sectores; e responde à prioridade de investimento, relativamente ao Programa POCTEP, 5B: Promover o investimento para enfrentar riscos específicos e assegurar a adaptação a catástrofes e o desenvolvimento de sistemas de gestão de catástrofes.

O CILIFO está a ser desenvolvido graças à colaboração de uma parceria público-privada, liderada pela Junta de Andaluzia e composta por organizações públicas de investigação, entidades de interesse público sem fins lucrativos, e administrações públicas; tudo com o objectivo comum de combater os incêndios florestais.

Sobre o Firefighitng Open Innovation Lab – CILIFO

O Projecto CILIFO através do seu Laboratório de Inovação Aberta de Combate a Incêndios – CILIFO (acelerador – incubadora gerida pela Finnova) apoia as iniciativas de empresários e empresas no campo da prevenção e combate aos incêndios florestais. Actualmente, há 18 empresas aderiram ao acelerador e as iniciativas estão a ser acompanhadas e orientadas na procura de financiamento europeu.

Sobre a Fundação Finnova

Fundação Espanhol-Belga para o financiamento da inovação, cujos objectivos são promover a cooperação público-privada através da inovação para enfrentar desafios sociais como o emprego, a formação, o empreendedorismo, os ODS das Nações Unidas, a economia circular, etc. No seu compromisso com a inovação, a Finnova tem vindo a organizar o StartupEuropeAwards desde 2016, uma iniciativa da DG Connect da Comissão Europeia.

Finnova, com sede na Bélgica e Espanha, tem as suas próprias delegações no Chile e Panamá. Em Espanha está presente na Comunidade Valenciana, no País Basco, na Andaluzia, na Comunidade de Madrid e nas Ilhas Canárias.

Sobre StartupEuropeAwards

É uma metodologia da DG CONNECT da Comissão Europeia, implementada pela Fundação Finnova desde 2016. Os SEUAs são uma ferramenta de inovação aberta para identificar as empresas em fase de arranque que promovem a colaboração público-privada e sensibilizam para a importância do auto-empreendedorismo como motor do emprego. Além de gerar parcerias que ajudam a cumprir os ODS das Nações Unidas e as acções do Pacto Verde Europeu, contribuindo assim para a economia circular, a luta contra as alterações climáticas e o turismo sustentável.

Sobre StartupEuropeAccelerathon

StartupEuropeAccelerathon visa identificar ideias inovadoras elegíveis para financiamento da União Europeia, tais como o programa LIFE, Green Deal, Horizon 2020 ou NextGenerationEU. StartupEuropeAccelerathon segue as indicações dos Objectivos de Desenvolvimento Sustentável das Nações Unidas, contribuindo de cada desafio para os SDG propostos; no quadro da metodologia StartupEuropeAwards da DG CONNECT da Comissão Europeia que nasceu da DG Investigação e Desenvolvimento em 2020 com a campanha pan-europeia Hackthevirus. Tem sido realizada com sucesso com governos como a Comunidade Valenciana com o desafio das águas industriais poluentes ou o Governo Regional Andaluz com o desafio da luta contra as alterações climáticas, gestão florestal e inovação na prevenção, combate aos incêndios e regeneração das áreas ardidas.

 Sobre a Semana Verde da UE

A Semana Verde da UE 2021 proporcionará uma oportunidade de ligação com todas as partes interessadas num esforço de colaboração para alcançar uma poluição zero para um ambiente livre de tóxicos. A Semana Verde da UE 2021 será dedicada ao objectivo “Apontar para a poluição zero”. Abordará também outras iniciativas relevantes para o Pacto Verde Europeu, tais como iniciativas climáticas, a futura Estratégia para os Produtos Químicos, e iniciativas dedicadas à energia, indústria, mobilidade, agricultura, pescas, saúde e biodiversidade.