O Projecto CILIFO comemora o Dia Internacional contra as Alterações Climáticas

24.10.2020. Todos os dias 24 de Outubro é comemorado em todo o mundo como o Dia Internacional contra as Alterações Climáticas, esta celebração foi estabelecida pelas Nações Unidas (ONU) devido ao grande caos que está a ser desencadeado no planeta devido às alterações climáticas.

Segundo o site da ONU: “Após mais de um século e meio de industrialização, desflorestação e agricultura em larga escala, as quantidades de gases com efeito de estufa na atmosfera aumentaram para níveis não vistos durante três milhões de anos”. Além disso, as Nações Unidas explicam que os efeitos das alterações climáticas afectam-nos a todos e “se não forem tomadas medidas drásticas agora, será muito mais difícil e dispendioso adaptar-se aos seus efeitos no futuro”.

O projecto “Centro Ibérico de Investigação e Combate aos Incêndios Florestais” (CILIFO) centra-se na luta contra os incêndios florestais e suas consequências para a adaptação e mitigação das alterações climáticas; num quadro de cooperação transfronteiriça para a prevenção de riscos e melhor gestão dos recursos naturais em Espanha e Portugal na área da Eurorregião Alentejo – Algarve – Andaluzia. O CILIFO está enquadrado no Objectivo Temático 5 do Programa POCTEP: Promover a adaptação às alterações climáticas em todos os sectores; e responde à prioridade de investimento, com respeito ao Programa POCTEP, 5B: Promover o investimento para enfrentar riscos específicos e assegurar a adaptação a catástrofes e o desenvolvimento de sistemas de gestão de catástrofes.

A prevenção é uma das principais acções na luta contra os incêndios florestais e inclui acções de sensibilização do público para os problemas dos incêndios florestais (“prevenção social”). A educação e sensibilização ambiental é um complemento das políticas e acções ambientais. Sem o envolvimento activo e empenhado de todos os membros da sociedade, as estratégias ambientais levadas a cabo por organismos públicos e privados não seriam suficientes para responder aos desafios apresentados pelas alterações climáticas. Por esta razão, conhecer os mecanismos de incêndio, a forma como os dispositivos extintores e as consequências nocivas destes, é um elo fundamental na cadeia que nos leva à sua prevenção.